SEGUIDORES

sábado, 14 de janeiro de 2017

Defensores da revogação do AO90 rejeitam propostas de revisão!


Os defensores da revogação do Acordo Ortográfico de 1990 (AO90) consideram que as posições “revisionistas” do AO90 “são de rejeitar”, disse à agência Lusa Ivo Miguel Barroso, que tem contestado o Acordo.

“O destino adequado para o AO90 é o caixote do lixo”, disse Ivo Miguel Barroso, que alertou que “para ser revisto, é necessário que haja uma alteração do teor do Anexo I e II (Bases e Nota Explicativa)”, do Acordo.
Ivo Miguel Barroso falava à Lusa a propósito do anúncio feito pela Academia das Ciências de Lisboa (ACL) que vai apresentar ainda este ano um estudo para aperfeiçoar do AO90, sugerindo nomeadamente o regresso à utilização de algumas consoantes mudas.
“Quem conhece o Direito dos Tratados sabe perfeitamente que, se o AO90 é para ser revisto, é necessário que haja uma alteração do teor do Anexo I e II (Bases e Nota Explicativa). Ou seja, tal implicaria um novo Tratado ou uma revisão do mesmo entre todos os Estados da CPLP, no sentido de alterar o Anexo I do AO90”, afirmou.
“Ora, para que isso suceda, é necessário que todos os Governos dos Estados assinem; e que, depois, o novo Tratado seja ratificado internamente. Por outro lado, tal propósito de revisão significaria que pelo menos parte das normas do AO90 não seriam para cumprir”, realçou Ivo Miguel Barroso.
Em declarações à agência Lusa, o presidente da ACL, Artur Anselmo, salientou que a instituição não tem qualquer tendência política e que o AO90 é “um problema científico e não político”, que deveria de ser resolvido definitivamente, e que é utópico impor uma grafia igual em todos os países que falam português.
Ana Salgado, coordenadora do novo dicionário da Academia (que deve estar pronto em 2018), disse também que o acordo não estabelece uma ortografia única e inequívoca, o que permite várias interpretações e, por isso, causa instabilidade. O estudo da Academia pretende acabar com essa instabilidade.
Também em declarações à Lusa, a responsável frisou que a ACL não defende a revogação do AO90, mas sim o seu aperfeiçoamento, sendo que o que propõe são ajustes, como de resto a Academia brasileira já fez também.
A Academia vai, por exemplo, recomendar o emprego do hífen em algumas palavras (fará uma listagem), revelou Ana Salgado, ressalvando que o não emprego do hífen “não quer dizer que seja um erro”.
Quanto às consoantes que não se pronunciam a ACL vai defender que elas só caiam nos casos em que há uma grafia única em Portugal e no Brasil (como na palavra 'ação'). No entanto, em casos como a palavra 'recepção' “a nossa leitura” (da ACL) é que a escrita com o 'p' é “legítima no espaço lusófono”. Na palavra 'optica', a ACL defende também o uso do 'p'.
Ana Salgado lembrou que o AO90 está a ser aplicado no ensino desde 2011 e que muitas crianças poderiam não entender a reposição de consoantes, pelo que o trabalho da Academia é abrir essa possibilidade, uma “via para uniformizar”, e deixar que depois a língua evolua.
A ACL, adianta, não quer impor nada, mas defende a reposição do acento na forma verbal “para” ("pára") e em todas as propostas vai justificar cientificamente as opções.
“Estou preparada para as críticas ao novo estudo”, disse a responsável.
Artur Anselmo também admite todas as críticas e diz que não faz sentido “abrasileirar” a ortografia do português, como não faz sentido moldá-lo à ortografia de qualquer outro país lusófono.

sábado, 7 de janeiro de 2017

Alto e para o baile!

Um amigo enviou-me este post de Francisco Seixas da Costa. Não é recente, mas não deixa de ser uma forma criativa e bem-humorada de crítica ao AO90. Já agora, ficam os votos de que 2017 seja um ano de folia. Logo, todos para o baile!

E AINDA DIZEM MAL DO ACORDO...
No passado escrevia-se "Alto e pára o baile". Isso significava "deixem-se de boa vida e vão trabalhar!"
Com o fim do acento agudo na palavra "pára", a expressão fica "Alto e para o baile!", o que quer dizer, literalmente, "deixem de trabalhar e vão para a boa vida!".
Há ou não vantagens com o Acordo Ortográfico?!
Francisco Seixas da Costa

Abraço.
ProfAntónio

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Academia das Ciências quer aperfeiçoar o Acordo Ortográfico!


ENTREVISTA ao jornal Público (12-12-2016)

“Nós consideramos que o normal é o respeito pelas ortografias nacionais”
O presidente da Academia das Ciências de Lisboa, Artur Anselmo, anuncia para Janeiro um documento chamado Subsídios para o Aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico. É o retomar da polémica pelo lado científico, num campo em que "a política é incompetente".

Presidente da Academia das Ciências de Lisboa até finais de 2018, filólogo, professor, autor do recente História do Livro e Filologia (Ed. Guimarães, 2015), Artur Anselmo é, aos 76 anos, impulsionador de um movimento de rejuvenescimento da Academia, onde acabam de ser admitidos, na 1.ª secção da Classe de Letras, Manuel Alegre, Helder Macedo (efectivos), António Lobo Antunes e José Manuel Mendes (correspondentes). No dia 15 de Dezembro, às 15h, o ano académico encerrará com uma conferência do general Ramalho Eanes, intitulada Portugal no Tempo e no Mundo. Para 2017, anuncia-se uma proposta de revisão do acordo ortográfico de 1990 [AO90] sob o prisma da ciência, em detrimento da política. Artur Anselmo explica as razões de tal iniciativa.

Um ano depois do colóquio Ortografia e Bom Senso, anuncia-se um dicionário para 2018 e um “aperfeiçoamento” do acordo ortográfico. Isso significa o quê?
Muitos confrades de ciências estão a participar nos trabalhos do Dicionário. Na área da Química, da Biologia, da Botânica, das ciências da Terra, das ciências do Espaço. Isso não aconteceu em 2001, porque o dicionário foi feito, em boa parte, sob a direcção do confrade João Malaca Casteleiro, por licenciados, professores de Português, jovens, pessoas que não eram especialistas. Daí lacunas terríveis que ocorreram. No outro dia descobri que faltava a palavra “robalo”! Ou “semiótica”! Ou “semiologia”!

E quanto ao chamado "acordo ortográfico"?

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

2 000 000 de visitas!


O número de visitas, vindas de 178 países, atingiu hoje um número redondo: 2 000 000!
Um agradecimento a todos, especialmente para os países que estão no top 5:
1. Brasil (63%)
2. Portugal (31%)
3. Estados Unidos (2,5%)
4. Angola (0,6%)
5. Reino e Espanha (0,4%)

Abraço de Azeitão para o mundo!
ProfAP
Imagem encontrada AQUI.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

"Fatos"... e gravatas!

Ontem à noite, quando me apareceu este título no canto inferior direito do ecrã, nem conseguia decifrar o título...

Esta é uma das confusões geradas pela forma como está redigido o Novo Acordo Ortográfico. Em nome da sacrossanta uniformização, enfiaram tudo no mesmo saco e criaram esta a alínea c) da Base IV, uma verdadeira pérola… de cultura:
Conservam-se ou eliminam-se facultativamente, quando se proferem numa pronúncia culta, quer geral, quer restritamente, ou então quando oscilam entre a prolação e o emudecimento: aspecto e aspeto, cacto e cato, caracteres e carateres, dicção e dição; facto e fato, sector e setor, ceptro e cetro, concepção e conceção, corrupto e corruto, recepção e receção;

À primeira vista, parecia claro que, em todo o universo lusófono, coexistiria a dupla grafia facto/fato.
Só a leitura da “Nota explicativa - Anexo II do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa” permite esclarecer o equívoco:
O terceiro caso que se verifica relativamente às consoantes c e p diz respeito à oscilação de pronúncia, a qual ocorre umas vezes no interior da mesma norma culta (cf., por exemplo, cacto ou cato, dicção ou dição, sector ou setor, etc.), outras vezes entre normas cultas distintas (cf., por exemplo, facto receção em Portugal, mas fato, recepção no Brasil).
O que deveria estar bem claro no texto principal, surge,  como exemplo, escondido no parênteses de um anexo...

Finalmente, no mesmo anexo, passa-se a bola para que outros façam o trabalho que deveria ter sido feito logo à partida:
Os dicionários da língua portuguesa, que passarão a registar as duas formas em todos os casos de dupla grafia, esclarecerão, tanto quanto possível, sobre o alcance geográfico e social desta oscilação de pronúncia.

“tanto quanto possível”? Boa!

CONCLUSÃO:
Em Portugal, não houve alteração e o facto continua a ser facto!

No Brasil, a Academia de Letras consagra uma dupla grafia fato/facto (também anterior ao AO90), mas, na prática, todos escrevem e dizem fato.

Mas nada desculpa este verdadeiro “lapsus horribilis” do Notícias ao Minuto. Logo, reguada neles!
Abraço.

ProfAP

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Como escrever: SUB-CATEGORIAS ou SUBCATEGORIAS?


Encontrei há pouco, numa das secções do Notícias ao Minuto, a grafia “sub-categorias”. O uso do hífen está certo ou errado?
Leio, com alguma frequência, grafias com “sub-”, como se este elemento de composição de palavras não pudesse viver sem o hífen: “sub-aquático”, “sub-alimentação”, “sub-diretor”, “sub-delegado”, “sub-editor”, “sub-secção”, “sub-chefe”...
Como vamos ver, em todos os casos apresentados, não deve haver hífen. Aplica-se a regra do art. 7.º, Base 27, do AO de 1945 que determina que só há hífen a seguir a sub-, «quando o segundo elemento começa por b, por h (…) ou por um r».
O AO90, meteu os pés pelas mãos em relação a este prefixo, mas não altera a regra do b/h/r.

RESPOSTA:
Devemos escrever, como já escrevíamos: subcategorias!

Nota: Embora tanto o AO45 como o AO90 sejam omissos em relação ao assunto, manda a tradição lexicográfica que usemos hífen também antes de números: sub-15, sub-19, sub-21, etc.

Abraço.

ProfAP

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Os presidentes também erram - Pedro Santana Lopes


COMENTÁRIO:
Ou muito me engano ou as declarações de Marcelo Rebelo de Sousa sobre do AO90 são apenas o pretexto para uma bicada de Pedro Santana Lopes   


Os Presidentes também erram
Todos têm direito a errar, até o Presidente, mas há umas matérias mais sensíveis.

É bastante curioso que as reações mais críticas às declarações do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa sobre o acordo ortográfico tenham vindo de responsáveis de outros países da CPLP ou mesmo do seu secretário executivo. Declarações críticas ou de moderação, como até foi o caso de responsáveis de Angola e de Moçambique. O que não se ouviu, certamente, foi uma voz que fosse dos responsáveis dos outros países que compõem a CPLP de apoio à linha política das declarações do novo Presidente português. Nem de Moçambique, nem de Angola, os tais países que ainda não ratificaram. E assume especial significado no caso de Moçambique, porque era o país que Marcelo Rebelo de Sousa estava a visitar em clima de grande alegria e satisfação. Da parte do Governo português já se sabe que houve completo distanciamento nas palavras prudentes do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.